RETIRO ESPIRITUAL DO CLERO 2022

PRESBÍTERO: CONFIGURAR-SE A CRISTO.

Entre os dias 7 a 10 de março o Clero da Diocese de Cristalândia realizou o seu Retiro Espiritual Anual. O mesmo foi conduzido pelo pregador Dom Valter Magno, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Salvador-BA. Estavam presentes os diáconos, presbíteros e também nosso querido Bispo, pai e pastor da nossa Igreja particular de Cristalândia-TO, Dom Wellington Queiroz Vieira. Um detalhe: Dom Valter foi colega e professor de alguns padres no Seminário de Mariana, em Minas Geras.
Nesses dias Dom Valter nos convidou a refletirmos sobre nossa identidade de “Homens de Deus”, ou seja, rezar nossa vocação de dispensadores da graça divina àqueles a quem o Senhor nos confiou. Ele nos lembrou, de forma densa, simples, humilde e afetuosa sobre a natureza do serviço que realizamos na vida das paróquias. Segundo Dom Valter Magno o sacerdote é um homem escolhido, um homem conquistado, seduzido por Deus. Dar-se conta desse mistério e renova-lo sempre em nossas vidas é uma grande responsabilidade a que o padre não pode se negar à cumprir. Conquistado por Deus, o presbítero é chamado a servir com amor, alegria e disposição. O sacerdote não é um homo-faber, um homem do fazer, do ativismo, de construções, admistradores, mas, um homem enamorado de Deus, que se deixa moldar por Ele. Vivendo na condição de servo, o padre é chamado a exercer três características que se tornam o tripé da vida sacerdotal: ensinar, santificar e pastorear. O verdadeiro sacerdote de Cristo é aquele que como o mestre “fala com sabedoria e ensina com amor” ( Prov. 31, 26). Como mestre, o presbítero é chamado a ensinar, a inspirar outros discípulos a seguirem o caminho de Jesus, a serem mistagogos na vida da comunidade eclesial. Contudo, ser homens de Deus, dispensadores da graça divina não nos impede de viver momentos de crises. Mas, sendo “homo Dei” somos convocados, mesmo nas crises, a confiar no amor de Deus que está em nós. Dom Valter nos lembrou que a vida do padre não permite uma separação entre a vida espiritual e a prática religiosa. O padre é alguém que está em constante conversa com Deus e com o mundo. Fugir a essa relação pode nos causar muitos males: egoísmo, sequidão ministerial, fechamento, acabrunhamentos, acumuladores de leis, rubricas, mercadores da moda, entre outros aspectos. Como mestres somos “homo-verbum”, homens da Palavra. Como dispensadores da graça de Deus devemos tornar sagrado todas as coisas. Como pastores devemos cuidar para que aquilo que ensinamos e aquilo que santificamos não se perca por falta de amor, de zelo, de cuidado. Como mestres ensinamos, como santificadores fazemos com que os outros queiram mergulhar no mistério do Cristo; queiram se tornar amigos de Jesus; fazer com que digam sempre “fica conosco Senhor”! Como pastores somos chamados a enxergar os outros com o olhar de Deus e torná-los participantes dessa jornada amorosa, discípulos missionários. O pastor é aquele que conduz, guia, alimenta o rebanho. Assim, o padre deve ser aquele que exerce a autoridade, aquele que faz crescer, florir, frutificar no tempo certo. Por fim, Dom Valter Magno retomou a figura de Maria como Mãe dos Sacerdotes. A resposta de Maria a Deus é o paradigma para a vida do presbítero. Maria esteve no início e no fim da vida de Jesus. Em tudo ela fez-se serva do Senhor. Seu amor por Deus não era o amor filia, mas o amor maior, o amor Ágape. Com uma singela e linda reflexão sobre Maria convidou-nos a sermos santos assim como Deus é Santo. O retiro se deu através de reflexões que duraram cerca de uma hora e com o auxílio de uma leitura orante sobre um texto apresentado no decorrer das falas de Dom Valter Magno. Como dispensadores da graça somos gratos a Dom Valter Magno pela sua disponibilidade em nos ajudar a refletir sobre nossa identidade de presbíteros em tempos tão difíceis, cheios de perturbações e sofrimento, do povo, mas, também de muitos padres. Nossa gratidão e orações! Bispo, padres e diáconos da Diocese de Cristalândia. (Dr. Pe. Jairo Barbosa Moreira)

 

Rolar para cima